Prefeitura de Catarina

sábado, 6 de maio de 2017

Descoberta de anticorpo para zika reforça esperanças de vacina

zika
Foto - divulgação 
Uma pesquisa identificou o que poderá ser a arma contra a zika. Os estudiosos, da Universidade Rockefeller, nos EUA, descobriram no sangue de pessoas infectadas pelo vírus, antiorpos que impedem o início de infecção. Segundo eles, estes anticorpos parecem ter sido fabricados em resposta a uma infecção anterior pelo vírus da dengue (da mesma família), sendo que um deles, batizado Z004, se mostrou particularmente eficaz em neutralizar o micro-organismo. A descoberta espera levar a novas maneiras de lutar contra doença, inclusive no desenvolvimento de uma vacina. 

"Estes anticorpos podem ser muito úteis no futuro próximo", diz o pesquisador da Universidade americana e um dos líderes do estudo, Davide F. Robbiani. Em artigo publicado na revista científica "Cell", ele relatou que pretende administrar o Z004 para prevenir a zika com segurança em mulheres grávidas ou outras pessoas sob risco de contrair a doença.
Uma nova estratégia para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus foi revelada numa investigação da interação com ele e com o anticorpo. Conduzida por cientistas do Intituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), a pesquisa determinou a estrutura molecular do ponto em que o anticorpo se une ao envelope proteico do vírus "piçando" uma protuberância nele. 
Ao tentar criar uma vacina, os cientistas usam todo ou uma boa parte do vírus de forma a incitar a resposta do sistema imunológico, mas os pesquisadores acreditam que com esta descoberta será possível usar apenas o fragmento do envelope com a pretuberância.
Esta protuberância também já tinha sido apresentada na dengue do tipo 1. Os cientistas tentaram usar o Z004 para combater a doença e ele acabou neutralizando o vírus. 
"Mesmo antes da zika as amostras de sangue deles provavelmente tinham anticorpos que podiam interagir com o mesmo trecho do envelope proteico", contou outra pesquisadora da Universidade Rockfeller e coautora do estudo, Margaret R. MacDonald. "Parece que, muito como uma vacina, a dengue tipo 1 pode preparar o sistema imunológico para lutar contra outras doenças da mesma família".